MIDIA 05 – Top Mega Banner 970 x 250 – DESK
Arte e Cultura

Grupo Teatral Mata! apresenta espetáculo sobre a música brega no período ditatorial

Grupo Mata! apresenta seu novo espetáculo “Cafona

No dia 24 de Novembro de 2018, às 20h30, o Grupo Teatral Mata! estreia a sua mais nova montagem no Teatro Studio Heleny Guariba, que fica na Praça Roosevelt em São Paulo.

“Cafona – Ensaio sobre brega, preconceito e violência” é um espetáculo construído a partir de uma intensa pesquisa realizada pelo Grupo Mata! entre os anos de 2016 e 2017, acerca das rádios populares, seus ouvintes, canções e cantores bregas que fizeram sucesso entre as décadas de 1960 e 1970, período em que o Brasil viveu sob um intenso regime militar.

E foi neste período que, com o crescimento das rádios FMs, as rádios AMs acabaram perdendo popularidade. Por terem menor qualidade tecnológica, porém maior alcance territorial, passaram a abarcar sobretudo as camadas mais populares da sociedade e a tocar aquilo que ficou conhecido pejorativamente como “brega”, ou “cafona”.

Como neste período a juventude intelectualizada dava mais atenção aos cantores da MPB e às músicas de protesto, taxando os artistas de músicas românticas de “cafonas” e alienados políticos, surgiu um raciocínio por parte da população que acreditava que  “enquanto a ditadura endurecia o regime, os artistas “cafonas” cantavam para o entorpecimento das massas”. Por isso, a pesquisa do MATA! aborda as contradições do período com a atualidade desse “universo da música brega”, na busca por compreender “o ontem e o hoje” das relações sociais ligadas a esse gênero musical, que continua a fazer sucesso e a lançar artistas.

Muitos artistas cafonas – tidos como “bregas” – estiveram presentes nas temáticas pesquisadas pelo grupo, com destaque para: Diana (que retrata em suas canções a mulher apaixonada, que vez ou outra “pisa” naquele que a desprezou), Amelinha (que trouxe em suas letras o caráter de sonho, de ilusão e fantasia, para a dramaturgia), Odair José (que motivou pesquisas a partir de estereótipos masculinos dotados de um tipo de sex appeal à brasileira: fusão entre o “caipira” e o “roqueiro”), Carmen Silva (mulher negra que rechaçou o estereótipo de cantora de samba para cantar músicas românticas) e Waldick Soriano (o típico boêmio conquistador, aquele que coloca a “mulher comum” como protagonista de suas canções e, ao mesmo tempo, reforça determinados preconceitos e opressões).

“Ao pesquisar as músicas bregas na época da ditadura militar no Brasil, percebemos como a compreensão acerca deste gênero musical até hoje possui inúmeras lacunas. A começar pela diversidade de interpretações entorno da palavra “brega” e dos seus estilos musicais. No norte e nordeste do país o brega está mais próximo do forró e do axé. Já no Sudeste, o brega dialoga mais com o Pop, o Rock e a MPB, definindo-se mais como música de amor ou música romântica. É a partir de uma pesquisa centrada mais no sudeste do Brasil que nosso espetáculo se desdobra. E nessa região as músicas bregas também ficaram conhecidas como “cafonas”, ou seja, um tipo de arte “mal-acabada”, distante de qualquer referência erudita. Uma das abordagens do preconceito sobre o brega começa aí: as músicas cafonas por serem popular e falarem dos “populares” sempre foram discriminadas pelo público e crítica especializadas” – comenta Anderson Zanetti – diretor e dramaturgo.

“Cafona – Ensaio sobre brega, preconceito e violência” possui três personagens centrais, criadas a partir dos estudos acerca dos ouvintes das rádios AMs: a empregada doméstica branca e nordestina; a mulher negra cantora/catadora de papel e o homem trabalhador comum de portaria de prédio, que passa em um concurso público para a Polícia Militar.

Com a abordagem das personagens femininas do espetáculo o grupo propõe também reflexões sobre certas contradições em ser mulher na sociedade de hoje.

“Raimunda, por exemplo, preenche a solidão de sua vida interagindo com pessoas imaginárias, “capazes de fazer coisas maravilhosas” e que conversam com ela através do rádio, seu único companheiro. É por meio dele que ela descobre que a felicidade só aparece “para quem sofre, para quem se machuca, para quem nunca desiste”. Porém, acaba se casando com um policial militar, que não era bem o marido descrito nas histórias de amor do rádio. A peça mostra que para as mulheres, a realidade é bem diferente da ficção”, comenta Vanessa Biffon, atriz de Cafona.

Em “Cafona – Ensaio sobre brega, preconceito e violência” o Grupo Teatral Mata! faz um convite para uma imersão na nostalgia da música brega, seus contrapontos e transita entre o período ditatorial e o atual. Do preconceito à violência de gênero, Cafona reflete sobre temas importantes e sobre a relação dos veículos de comunicação com a população, estabelecida durante todos esses anos.

Sobre o Grupo Teatral Mata!

Em 2014 o Grupo Teatral MATA!, nome dado em homenagem ao primeiro processo de montagem de espetáculo, ganhou o Prêmio do “Programa de Apoio à Cultura do Estado de São Paulo” – “Proac – Primeiras Obras”, com espetáculo guerrilheiro não tem nome, trabalho inspirado na Guerrilha do Araguaia e no livro MATA!, do premiado jornalista Leonêncio Nossa.

Em 2015, o grupo foi contemplado com o edital de circulação do “Prêmio Zé Renato de apoio à produção e desenvolvimento da atividade teatral para a cidade de São Paulo”, percorrendo inúmeros espaços do Estado de São Paulo.

Agora, o grupo dá continuidade a sua pesquisa, trabalhando novamente com a perspectiva épico-dialética e traçando um paralelo entre a situação do regime militar (instaurado em 1964) e o momento atual, através de um estudo sobre as canções e cantores bregas, e a relação dos ouvintes com as rádios AM’s. O novo espetáculo: Cafona – ensaio sobre brega, preconceito e violência estreia no dia 24 de novembro.

Mais informações em: www.facebook.com/grupoteatralMATA

Ficha Técnica

Direção e dramaturgia: Anderson Zanetti | Atrizes e ator: Gabriela Felipe, Vanessa Biffon e João Alves | Figurino: Cristiane Lima | Cenário: Beatriz Mendes | Trilha Sonora: Danilo Pinheiro | Assessoria de Imprensa: Luciana Gandelini | Iluminação: Leonardo Oliveira

Cafona – Ensaio sobre brega, preconceito e violência

Sinopse: A emissora de rádio toca a música de amor, que contém em si a figura protagônica dos ouvintes e, ao mesmo tempo, o preconceito de gênero, classe e tratamento. O radialista parece ser a “companhia” nos momentos de solidão, e entre um “conselho” e outro vende seus produtos. Duas mulheres, um homem, a opressão transcorre de maneira socialmente naturalizada. Os tempos entre narrativa e palco se misturam. A concatenação fabular desaba e faz aparecer uma realidade social que já não se sustenta. A história do brega, do cafona, da rádio e dos ouvintes se fundem para revelar uma história de privilégios, autoritarismo, racismo, machismo e outras formas de violências físicas e simbólicas.

Estreia: 24 de Novembro de 2018

Temporada: de 24 de Novembro à 09 de Dezembro de 2018

Horários:  Sábados 20h30 / Domingos 19h

Onde: Teatro Studio Heleny Guariba – Endereço: Praça Franklin Roosevelt, 184

Próximo ao Metrô República – São Paulo

Ingressos: Inteira R$20 / Meia R$10

Assessoria de Imprensa: Luciana Gandelini –  lucigandelini@gmail.com

Ronaldinho Gaúcho recebe fãs catarinenses em jantar, na cidade de Brusque

Flyer-Cafona-340x444 Title category
Foto Divulgação

Waldick-340x227 Title category
Foto Divulgação

Raimunda-e-o-rádio-340x227 Title category
Foto Divulgação

Tags
Show More

Rosilene Bejarano

Nascida em Corumba Ms: - Blogueira ( Coisas Do Sul) (egonoticias) Miss Plus Senior SC, Modelo Plus, Embaixadora da Paz, atualmente resido em Joinville Santa Catarina, cursando marketing digital,formada em Hotelaria e excelência em atendimento, técnicas Imobiliárias,Secretaria nacional da Abramecom. Recebi o premio internacional de imprensa empreendedora Dr Rey 2017. Siga o egonoticias: http//instagram.com/egonoticias Siga a Colunista: http://instagram.com/rosilenebejarano Veja todos os meus posts: https://www.egonoticias.com.br/autor/rosilene-bejarano/

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Close

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker