Teatro

Grupo Pandemônio em Cena apresenta Noite de Reis no Teatro Cacilda Becker

Peça de William Shakespeare que marca a primeira montagem profissional do Grupo

Grupo Pandemônio em Cena apresenta Noite de Reis, de William Shakespeare, e oferece oficinas culturais em SP

Projeto Noite de Reis, Um Elogio à Diversidade, contemplado pela 7ª Edição do Prêmio Zé Renato de Teatro, é composto por apresentações do espetáculo Noite de Reis, oficinas e encontros com o público

Grupo Pandemônio em Cena apresenta Noite de Reis no Teatro Cacilda Becker 2
Pandemônio – Foto Divulgação

Noite de Reis, peça de William Shakespeare que marca a primeira montagem profissional do Grupo Pandemônio em Cena, reestreia sexta-feira, dia 15 de fevereiro, às 21h, no Teatro Cacilda Becker. O enredo da peça tem como base o travestimento da protagonista, Viola em Cesário, cujo disfarce será alavanca de uma série de reviravoltas amorosas que, além de bem humorados, causam uma reflexão sobre os modelos femininos e masculinos socialmente aceitos, aspecto ressaltado pelo grupo. O grupo usa o texto do dramaturgo inglês para dialogar sobre a urgência de encontrar o outro apesar das diferenças. Na encenação, o grupo também trabalha utilizando o recurso das máscaras, em que tem se especializado.

Grupo Pandemônio em Cena apresenta Noite de Reis no Teatro Cacilda Becker 3
Pandemônio – Foto Divulgação

O texto de William Shakespeare conta uma história sobre pessoas que são incapazes de se ver ou ouvir, já que estão mergulhadas nos seus profundos desejos individuais. A partir dessa premissa, o Grupo Pandemônio em Cena propõe uma encenação musical e popular, onde as cores, sons e gestos contribuam para tornar vivo o texto shakespeariano e acessível para todas pessoas de diferentes idades, gêneros e classe social.  “Convidamos o público a refletir sobre o amor festivo, sensitivo e instintivo como forma de união, de tolerância à diversidade, um antídoto à violência”, diz Rodrigo Veloso, diretor da peça, que também assina a tradução do texto.

Além da encenação do espetáculo, o projeto Noite de Reis, Um Elogio à Diversidade, também é composto por encontros dos artistas com jovens estudantes e professores da rede pública de ensino. Ao todo, serão doze apresentações no Teatro Cacilda Becker, quatro apresentações em CEUs e quatro ocupações intituladas Ocupação Noite de Reis, da aurora ao entardecer, com oficinas, apresentações do espetáculo e um jantar coletivo com o público.

A ocupação acontecerá em quatro espaços diferentes: a sede do CITA na zona sul, sede do grupo Dolores Mecatrônica das Artes, na zona leste, sede do grupo Pandora de teatro, na zona oeste, e Casa de Cultura Vila Guilherme, na zona norte.

Grupo Pandemônio em Cena apresenta Noite de Reis no Teatro Cacilda Becker 4
Pandemônio – Foto Divulgação

“Esta ocupação é uma forma de concretizar esse espaço de encontro para além da apresentação teatral. Ela é, através do contato e da disponibilidade de transportes para alunos e professores da rede pública da região, um convite para conhecer um lugar e algumas pessoas que fazem teatro em sua região. É, através de uma oficina aberta, um espaço para artistas, por vezes de linguagens e desejos diferentes, se encontrarem. É igualmente, através da comida compartilhada nos jantares comunitários, uma forma de criar uma comunhão teatral, restituindo assim a etimologia da palavra ‘companhia’, aqueles que compartilham o pão,” explica o grupo.

Sobre a tradução e as máscaras

A criação do espetáculo foi feita cena à cena à medida que era feito um esboço de tradução. Após as primeiras improvisações, a tradução era retocada e adaptada. Esse processo possibilitou uma melhor compreensão cênica da situação e também uma tradução mais rítmica e imagética. “Foi uma escolha bastante importante para se dar conta do ‘ritmo alucinante’ da peça, como foi dito pelo crítico Harold Bloom. Assim, a tradução própria do texto foi um norte da construção dramatúrgica e da própria encenação”, conta Rodrigo Veloso.

A atriz Caroline Oliveira confeccionou meias-máscaras de quatro das sete personagens da peça. As outras personagens, mesmo sem máscaras, foram construídas dentro do princípio do jogo de máscaras. A escolha do teatro de máscaras concretizou a estética de teatro popular desejada pelo grupo, concreta e visualmente e, ao mesmo tempo, possibilitou a intensidade de jogo e atuação, pedidas pelas situações e personagens de Noite de Reis. A metodologia de trabalho vem do contato do diretor com a experiência do ensinamento de dois mestres: Jacques Lecoq e Ariane Mnouchkine.

+ CONFIRA TAMBÉM SOBRE: Prêmio Comunicação e Destaque mais uma vez bate recorde de público

Sinopse sugerida

No reino de Ilíria, o duque Orsino está apaixonado por Olívia, que não o ama. Uma jovem mulher, Viola, chega levada pelo mar após um naufrágio. Ela tem um irmão gêmeo idêntico, Sebastião, o qual ela acredita que morreu afogado no naufrágio. Viola se disfarça de homem, muda seu nome para Cesário, e encontra trabalho como mensageiro de Orsino. O trabalho de Viola é mandar mensagens de amor de Orsino para Olívia. Olívia se apaixona por Viola (Cesário), achando que ela é um homem. Viola se apaixona por Orsino, mas não pode revelar seu amor por ele pois Orsino acha que ela é Cesário, um homem. Assim é formado um triângulo amoroso cujas partes nem sabem ao certo o gênero do seu desejo. Para completar esse caos, Sir Andrew, amigo do tio de Olívia, Sir Toby, chega à cidade para casar-se com ela.

Ficha Técnica

Direção: Rodrigo Veloso. Orientação Musical: Erica D’Ávilla e Alef Barros.

Preparação Vocal: William Guedes Cenografia: Tayse Martins e Pandemônio em Cena. Figurino: Pandemônio em cena. Desenho de luz: Renato Mendes e Pandemônio em Cena. Tradução: Rodrigo Veloso. Direção de Produção: Lucas Vedovoto Produção Executiva: Rodrigo Veloso. Assistente de produção: Caroline Oliveira. Mascareira: Caroline Oliveira. Elenco: Alef Barros, Caroline Oliveira, Danilo Monteiro, Gabriela Mendes, Gabrielle Paula, Jamille Rai, Lucas Vedovoto, Paula Luppi.

SERVIÇO

Noite de Reis, Grupo Pandemônio em Cena. Temporada: De 15 de fevereiro a 10 de março. Sextas e sábados, às 21h e domingos às 19h.. Onde: Teatro Cacilda Becker. Rua Tito, 295 – Lapa. Ingressos: 20 reais (Inteira), 10 reais (meia). Classificação: Livre. Duração: 1h40. Lotação: 198 lugares.

Fonte: Ensaio Comunicação

Lourdes Castro

Nascida em São Paulo, Capital - SP, Brasil, Formada em Comunicação Social pelas Fiam- Faculdades Integradas Alcântara Machado, Pós Graduada em Administração de Marketing pela Fecap, Especialização em Assessoria de Imprensa pelo Senac. Jornalista, Assessora de Imprensa e Produtora do Programa Fama & Destaque da Apresentadora Viviane Alves, pela TV Guarulhos. MTB 15521

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar