Economia e Negócios

Impacto da assinatura da primeira fase na América Latina

Nos últimos dois anos, os exportadores de soja do Brasil foram os maiores vencedores com o aumento de suas vendas,

Impacto da assinatura da primeira fase na América Latina.

As moedas da América Latina estão mistas após a assinatura do acordo de fase um entre EUA e China. Três anos de tensões comerciais estão finalmente vendo um alívio no que deve dar um impulso às perspectivas econômicas globais. Este acordo da primeira fase, no entanto, não indica que os mercados esperem o fim da guerra comercial entre as duas maiores economias do mundo.

Nos últimos dois anos, os exportadores de soja do Brasil foram os maiores vencedores com o aumento de suas vendas, à medida que a China afastou suas compras dos Estados Unidos. O Brasil agora é o maior produtor de soja do mundo e já se comprometeu com planos de expansão que farão com que os preços da soja sejam afetados por fortes previsões de oferta.

Espera-se que a China compre mais soja dos EUA, mas isso não significa que o Brasil perderá completamente toda a participação de mercado adquirida recentemente. No fim, a China comprará soja de quem oferecer os melhores preços. Os preços da soja provavelmente permanecerão sob pressão e, embora os EUA provavelmente vejam algumas compras da China, a soja brasileira tem um preço muito mais atraente. O real brasileiro inicialmente enfraqueceu na assinatura do acordo comercial, mas deve se firmar na melhoria dos dados econômicos brasileiros.

Impacto da assinatura da primeira fase na América Latina
Gráfico – Foto Stock – Divulgação

Argentina

O peso argentino não está obtendo muitos benefícios com a recuperação do mercado emergente, resultante de uma perspectiva econômica global melhorada após a trégua comercial entre as duas maiores economias do mundo. O peso da Argentina é dificultado pela alta inflação que não vai acontecer tão cedo. As perspectivas para a moeda com pior desempenho nos últimos dois anos são mais dolorosas. O peso argentino pode cair para 90 no verão.

Chile

Os índices de aprovação do presidente do Chile, Pinera, continuam a despencar, pois serão necessárias grandes mudanças para revitalizar a economia. Apesar de uma ligeira alta no peso chileno após o anúncio da lei que reformaria o sistema de pensões do país, a maioria das notícias do Chile destaca que são necessários mais estímulos para a economia e que sugerem que níveis insustentáveis de dívida permanecerão em vigor.

México

O peso mexicano pode sentir fraqueza na próxima semana, já que os investidores abandonam seu comércio de pesos assim que o Senado dos EUA aprovar o acordo comercial da USMCA. A recente valorização do peso provavelmente verá a reação “compre o boato, venda a notícia”. O peso é a única moeda da América Latina a se recuperar contra o dólar em 2020 e pudemos ver que o comércio se desenrolou temporariamente no curto prazo. O nível 18,75 permanecerá a linha na areia para o peso, mas não devemos vê-lo enfraquecer além de 19,25.

Colômbia

Com as perspectivas da Colômbia começando a parecer as melhores na América Latina, poderemos ver o peso superando em 2020. Este ano, as perspectivas econômicas da Colômbia puderam ver o crescimento de 3,0% do PIB, ao lado de inflação moderada, mas com uma alta taxa de desemprego. provavelmente permanecer acima de 10%. O peso da Colômbia provavelmente começará a ter fortes transações comerciais, à medida que a economia se sair melhor na região e manter um forte diferencial de taxa de juros. Mercados como o BanRep, que mostraram estabilidade durante a queda livre de pesos do ano passado, que caiu para um nível recorde em novembro. Se o Banrep manter a política estável em 2020, poderemos ver que este é um ano marcante para o peso colombiano.

Fonte: Edward Moya, analista de mercado financeiro da OANDA em Nova York.

Foto: Stock Divulgação / Arquivo Pessoal

   Fonte: Amanda – Brasil
Sherlock Communications

Crescimento no consumo de cafés: Brasil resgata origens de indústria cafeeira

 

Etiquetas

Marcos Morrone

Nascido em São Paulo Capital: Fotógrafo Profissional e Produtor Musical. CEO do Grupo Morrone Comunicações Ltda.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar