MúsicaNotícias

João Suplicy lança Consolação com a Big band

João Suplicy lança Consolação com a Big band nas plataformas digitais

Suplicy lança consolação com a Big band nas plataformas digitais

 

Eu sempre adorei essa música e faz muitos anos que a toco, já o tendo feito de diversas formas; solo, trio, em rock, em samba, instrumental ou cantando. pois já tinha todo o arranjo no violão.

 

João Suplicy lança consolação com a Big band
Foto: Vitor Damiani

 

Acontece que com a Big band na gaveta isso ganhou um potencia ainda maior, com a cozinha e a presença dos oito metais arranjados com maestria por Felipe Martim Coelho.

Essa canção faz parte da incrível safra dos afros ambas compostos por Baden Powell e Vinícius de Moraes, mas na nossa interpretação ela dialoga com a surf music e ainda com o Blues, na segunda parte.

É bem diferente de qualquer outra versão que eu tenha ouvido desta música. Acho curioso como as melodias de Baden são roqueiras, de certa forma, pois usam sem pudor a escala pentatônica.

Me identifico muito com a maneira com que ele faz isso e sinto que combina com a minha forma de tocar violão, às vezes limpo e noutras vezes distorcido.

 

João Suplicy lança consolação com a Big band
Foto: Alexandre Suplicy

 

A letra de Vinícius é intensa e acredito q demos dramaticidade maior para a canção de ambos.

A maturidade traz autoconfiança. E um artista confiante, quando talen- toso, é capaz de realizar voos cada vez mais altos.

Completando 20 anos de carreira, o cantor, compositor e multi-instru- mentista João Suplicy vive, nesta altura da carreira, este momento de maturidade e autoconfiança, cujo reflexo pode ser ouvido em seu mais recente álbum “João”, lançado em 2017 – seu primeiro disco solo autoral em 12 anos.

“João” também é seu primeiro trabalho após passar quase oito anos com o duo “Brothers of Brazil”, projeto desenvolvido com seu irmão Supla.

A experiência, “muito intensa”, segundo João, o fez “confiar mais na pró- pria intuição”, arriscando e ousando mais. Com o duo, tocou em festivais e em diversos shows no exterior, gravou três discos (e um compacto) e sedimentou um estilo de tocar que hoje lhe é peculiar, com violão de cor- das de nylon “distorcido” na amplificação – no “Brothers of Brazil”, tam- bém passou a atuar como multi-instrumentista, tocando, entre outros instrumentos, baixo e piano.

 

João Suplicy lança consolação com a Big band
Foto: Debora Barros

Findada esta fase, era hora de um encontro consigo mesmo. “O disco tem minha mão em quase tudo. Eu acabei produzindo a maior parte das faixas, eu toco diversos instrumentos, as musicas são todas minhas… Então é muito a minha cara mesmo”, afirma. “Por isso o nome ‘João’: sim- boliza esse encontro comigo mesmo”.

Foram tantas composições novas criadas nestes últimos anos que “daria para fazer uns quatro discos” de músicas inéditas, de acordo com ele. Neste mais recente trabalho, João Suplicy volta a trazer uma marca que acompanha sua carreira: o ecletismo. “Minha música é miscigenada, as- sim como o Brasil”, diz o compositor. O álbum traz ainda as participações especiais de Zeca Baleiro, na faixa “Um abraço e um olhar”e de Marina de la Riva em “Dicionário do amor”. Esta, está na trilha da novela Carinha de Anjo, do SBT.

O dom de João em misturar diferentes gêneros musicais, com resulta- dos surpreendentes, já havia ficado latente em seu último trabalho solo, “Love me tender”, lançado em 2006. No álbum, que traz a produção mu- sical de Roberto Menescal, ele interpreta músicas de Elvis Presley sob o compasso da bossa nova.

Na verdade, desde seu primeiro disco, “Musiqueiro” (1998) esta caracte- rística já estava presente. A faixa que dá nome ao disco, por exemplo, traz os versos: “Eu vim da cidade/ E veja se pode/ Um paulista gostar de baião/ Mas deixa eu dizer/ Que a diversidade/ É marca dessa geração/ (…) / É Bob Marley de manhã/ De noite João Bosco e Djavan/ (…)”.

João Bosco, aliás, é citado por ele como uma de suas grandes influências. “Quando fui morar no Rio de Janeiro pela primeira vez, eu tive uma fase muito João Bosco, de ficar tirando aquele violão dele”, diz.

Para que suas composições tivessem influências de diferentes ritmos e gêneros, no entanto, era preciso beber nas mais diferentes fontes de inspiração. E assim foi. Além de João Bosco, ele cita Jimi Hendrix, Stevie Ray Vaughan, Baden Powell e Lenine como guitarristas/violonistas que exerceram uma influência marcante no seu estilo de tocar violão.

Além do rock e da MPB, em determinado momento da vida, João também foi “picado” pelo “micróbio do samba”. “No Rio, conheci a Beth Carvalho e ela foi super acolhedora, me levando para conhecer várias rodas de samba”, diz João.

A paixão pelo samba acabou gerando frutos. Carnavalescos. Em 2017, colocou o bloco “Tsunami do Amor” na rua. Ano passado, repetiu a dose com o agrupamento rebatizado de “Solteiro e Vagabundo” – ambos os nomes remetem a composições presentes no seu mais recente trabalho. “O bloco é só eu e o violão, que às vezes soa como uma guitarra, com mais oito ritmistas. É um bloco diferente”, explica. Em 2019, o bloco chega às ruas com o nome “Tins e Bens e Tais “, uma referência à música podres poderes de Caetano Veloso e também uma homenagem à Tim Maia e Jorge Ben Jor.

No campo musical, João ainda lidera a “Big Band na Gaveta” e conta com um trio para apresentar seu mais recente álbum. Em 2015, ele também lançou a banda de rockabilly João Suplicy & The Hound Dogs – atual- mente, porém, o projeto está suspenso. “Eu curto rockabilly, mas eu não acho que seja uma coisa tão presente para eu ter um projeto só disso”, afirma.

Desde o início de 2016, o músico também toca o programa “Violão ao vivo no quarto”, com veiculação ao vivo pelo Facebook em todas as segundas- -feiras, às 20h30, e do qual já participaram nomes como Criolo, Evandro Mesquita, Chico Cezar, Mariana Aydar, Mano Brown, Leci Brandão e Zeca Baleiro. “A maior parte do meu publico, que conhece meu trabalho solo, depois dos ‘Brothers’, acredito que venha daí”, aposta.

A experiência de ficar atrás das câmeras não é nova. Com o irmão Supla, apresentou na Rede TV!, entre 2008 e 2010, o programa “Brothers”. Pos- teriormente, também com o irmão, atuou no reality show “Brothers na gringa”, programa exibido na Mix TV que mostrava um pouco da rotina dos irmãos durante as turnês no exterior.

Sozinho novamente, depois de uma separação artística “difícil, mas im- portante” com o irmão, João firma sua carreira tanto no cenário nacional como internacional.

Amante da arte de compor (“ainda não terminei o trabalho de reunir es- sas músicas inéditas todas que tenho”), João tem aberto cada vez mais espaço para que outros intérpretes gravem suas composições. Para isso, ele segue criando. Com blues no baião. Com rock na bossa.

 

Yuri Mine

Nascido em São Paulo Capital – SP. Fotografo no Studio Y.M e Diretor de Fotografia na No Name Filmes, Musico e adorador de tecnologia, motos e carros, sempre a procura de novos desafios e projetos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar