Comportamento

Luto: Terapeuta explica porque é tão difícil lidar com a perda de alguém

Entenda melhor as fases do luto

2019 tem sido um ano marcado por tragédias que comoveram todo o País. Logo em janeiro lidamos com o rompimento da barragem de Brumadinho que tirou a vida de centenas de pessoas. Logo em seguida, jovens jogadores do Flamengo morreram num incêndio. Recentemente, acidentes aéreos levaram o jornalista Ricardo Boechat e o cantor Gabriel Diniz. Diante de tantas perdas, é normal que comecemos a nos colocar no lugar das famílias e que acabemos nos envolvendo na dor do outro.

A terapeuta em desenvolvimento pessoal e especialista em psicologia positiva, Gabriela Sayago, explica que essas tragédias mexem com as pessoas por “aproximarem a morte”. Segundo ela, quando alguém conhecido morre, reavaliamos a nossa própria vida. “Mesmo que não sejam pessoas próximas do nosso convívio, as acompanhamos, tomamos ciência da morte delas e sentimos o impacto da perda e, de certa forma, valorizamos mais o fato de estarmos vivos”, diz.

Leia mais: Psicologia Viva: conheça a plataforma para fazer terapia online

De acordo com Gabriela nem sempre é possível, ou necessário, manter o afastamento. “Por mais doloroso que seja, perdas, mortes e tragédias são parte da vida e por termos tanto pudor em falar sobre o assunto que ele nos causa essa angústia. Quando presenciamos fatalidades como essas recentes, o ideal é nos unirmos em pensamentos de força para os familiares, tentar não aumentar a situação buscando detalhes ainda mais trágicos e refletir sobre a sutileza que é viver”.

A especialista também comenta que o luto é o processo de elaboração de uma perda, que apesar de ter fases já conhecidas é muito particular e merece respeito.

As 5 fases do luto são:

Negação: Quando a pessoa evita falar, finge (para ela mesma) que nada demais aconteceu.

Raiva:  Quando a revolta toma conta por não conseguirmos mais negar o fim. Choros mais intensos, ataques de ira são mais comuns nessa fase.

Negociação: Há a tentativa de negociar algo com o meio, com alguma entidade religiosa ou até consigo mesmo, ainda na expectativa de que haja alguma maneira de reverter o irreversível.

Depressão: Quando todas as tentativas em negar a morte se esgotam, e a ficha “cai”, uma tristeza mais profunda.

Aceitação: Quando a vida vai voltando ao normal, quando a saudade existe mas já sem dor, ou ao menos, sem tanta dor.

Para Gabriela, é importante ressaltar que as etapas não acontecem necessariamente nessa ordem e nem todas são “obrigatórias”. “Cada ser humano é um e vivenciará o luto com as respostas emocionas que tem acesso. O primeiro ano costuma ser mais complexo pois cada data traz uma saudade específica. O processo de luto é normal e só indicado acompanhamento psicológico caso a pessoa que vive a perda não consiga retornar para as suas atividades normais”, explica.

Leia mais: Conheça Adriana Coutinho, a rainha das mídias sociais

Sobre Gabriela Sayago

 Gabriela Sayago é terapeuta em desenvolvimento pessoal, pedagoga, pós-graduada em Neuropedagogia pelo Instituto Saber, especialista em Psicologia Positiva e em Inteligência Emocional. A especialista Iniciou a vida Acadêmica em Administração de Empresas, mas migrou para a área de desenvolvimento humano  quando percebeu que queria criar ferramentas para que as pessoas passassem por um processo de transformação positiva e se “libertassem” das armadilhas da própria mente que as impedia de crescer pessoalmente e profissionalmente.

Como terapeuta, Gabriela faz atendimentos particulares e, no seu perfil do Instagram @gabisayago, ela faz Lives semanais todas as terças-feiras as 20:03 com temas ligados a Autoconhecimento e Desenvolvimento Humano. ela ensina a desenvolver a autoestima, por meio do desenvolvimento do autoconhecimento. Ela mostra que ao conhecer as próprias inseguranças, fragilidades e medos, as pessoas conseguem promover uma mudança positiva no mindset e comportamento. A especialista ainda trabalha técnicas que ajudam as pessoas a entenderem e mudarem seus pontos fracos e reforçarem seus pontos fortes para que sejam capazes de realizar o que estão dispostos a fazer, não importa quem elas são, o que elas fazem ou como elas são.

Juliana Umbe̊lino

Escritora e social media, atua com revisão e produção de conteúdo para web. Editora especializada em SEO há mais de 9 anos. Possui um e-book publicado, atua em trabalhos que envolvem shows, eventos, estratégias de marketing. Ministra palestras sobre web, redes sociais e influenciadores. Também faz parte da Digital Blogger, assessoria para Influenciadores e marcas. Além disso é apaixonada por livros, filmes, séries, quadrinhos, teatro e música. É uma nerd raiz, por assim dizer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar