Entretenimento

Blythes: quem são elas?

Conheça mais sobre esse hobby que motiva adultos a brincar de bonecas

Blythes: quem são elas?

Elas são lindas, charmosas, divertidas,  com olhos enormes que também mudam de posição e de cor. Além disso, tem um figurino de deixar de queixo caído até as maiores fashionistas.

As bonecas Blythes são as queridinhas dos colecionadores e contam com uma legião de fãs em todo o mundo. Normalmente mulheres modernas,  acima dos 30 anos, antenadas,  que amam  a moda.  Muitas delas, inclusive,  mexem com trabalho manual.

E o hobby custa caro, em média uma boneca da nova geração, que também é conhecida como Neo Blythe chega a custar  160 dólares.

De certo, as  Blythes surgiram nos Estados Unidos em 1972, mas por ser uma boneca diferente, não agradaram  o público infantil, alvo, portanto,  na época.

As bonecas ficaram apenas um ano nas prateleiras. Estavam esquecidas até que a produtora de TV Gina Garan decidiu fotografá-las em 1997 em vários lugares do mundo . As bonecas  se mostraram bastante fotogênicas. Inclusive foi tema de um livro.

Boneca Blythe. Foto: Cristina Bottallo
Boneca Blythe. Foto: Cristina Bottallo

Logo , uma marca japonesa relançou as Blythes  que viraram item de colecionador descolado. Hoje são mais de trezentos modelos, e há cada mês uma novidade.     

Para entrar nesse universo que tem até vocabulário próprio, guia do colecionador,  adoção e também encontros pelo mundo, conversamos com a colecionadora e também artista plástica Cristina Bottallo, que administra o site We Love Blythes,  e  um canal no YouTube  com vários vídeos sobre o tema. Além do instagram: wlblythe

Enfim, confira a entrevista e entre você também nesse universo:

Antes de mais nada, fale um pouco sobre como começou sua coleção. Quantas bonecas Blythes tem? Onde elas ficam e também qual a sua preferida? 

Eu comecei a colecionar em 2013, em agosto daquele ano. Eu não conhecia as Blythes, mas uma amiga que é artesã de costura postou fotos dela em um evento de Blythes em Porto Alegre, ela já tinha comentado comigo sobre as Blythes, porque sabia que eu gostava de bonecas. Enfim, ao ver suas fotos no evento, e ao ver muitas fotos delas,  eu também me encantei.

Então procurei a minha primeira, a Nina, que eu comprei através do site que hoje eu administro e também sou curadora, o weloveblythe.com.br

O site tem uma página de “Blythes para Adoção” (venda), e eu vi o anúncio de uma colecionadora de São Paulo, onde moro, vendendo essa custom de uma artista do Reino Unido.  Aí comprei, porque eu não queria esperar. Mas também comprei, ao mesmo tempo, uma original stock com uma “cegonha”, que é uma pessoa que compra nos sites (em geral da ásia) e recebe no Brasil. As cegonhas são uma boa opção para quem não quer usar ou não tem um cartão de crédito internacional. 

As minhas Blythes ficam em um guarda-roupa, em minha casa, no quarto que era dos meus filhos. 

Eu gosto de muitas, mas a preferida é difícil dizer. A gente muda um pouco o gosto, mas eu diria que tenho uma meia dúzia de preferidas. São, portanto,  umas customizadas especiais, de artistas que admiro, aqui do Brasil e de fora.

Boneca Blythe. Foto: Cristina Bottallo
Boneca Blythe. Foto: Cristina Bottallo

Você coleciona  as  Blythes desde 2013, teve alguma história inusitada  ou engraçada nesse  período? 

Puxa, história engraçada? Deixa pensar.  Comigo nunca aconteceu nada particularmente engraçado. Eu gosto de fotografar as bonecas e saio por aí tirando fotos com elas, sobretudo quando viajo. Uma vez, na Noruega, me surpreendi com o guia do passeio que estávamos fazendo tirando fotos minhas enquanto eu fotografava as Blythes.  Achei curioso! E a foto ficou muito legal!

Assim também, levei uma Blythe em um passeio de moto em uma ocasião, com um grupo de motociclistas, e várias pessoas pediram para tirar fotos comigo e com a minha boneca, que usava um jeans e uma jaqueta de couro, como as minhas roupas.

Você sabe quais são as maiores colecionadoras  das bonecas em nosso País?

Acho que existem vários grandes colecionadores, e muitos até são anônimos. Mas gosto de citar meu amigo Vagner Carvalheiro, que tem uma coleção muito especial, e como ele é professor de moda, usa as Blythes em suas aulas, inclusive organizando exposições com elas e as criações de suas alunas e alunos para as bonecas, desenvolvidas em projetos de suas aulas.

Onde é possível comprar bonecas Blythes no Brasil? Quais são os sites que recomenda no exterior?

Aqui no Brasil há uma loja virutal, a Ichigo-toys, que vende as Blythes, além de grupos de vendas das redes sociais, e o site Mercado Livre. Nas redes é possível comprar direto dos colecionadores, o que é legal, porque em geral conseguimos preços bacanas.

De fora, eu recomendo os sites ebay e também  etsy. Há sites de vendas do mercado paralelo também, mas nesse caso as bonecas são imitações.

Qual é a média de preço?

Um Blythe original da marca Takara, stock (sem customização), na caixa, assim, sai com um preço da fábrica de aproximadamente 150, 160 dólares (americanos). 

É possível comprar, ou melhor adotar,  uma boneca usada? Além disso, como funciona esse mercado?  

Sim, é possível, e atualmente pode ser a melhor forma de comprar uma boneca por aqui. Uma boneca usada pode ser encontrada em um preço melhor que uma nova, dependendo de ter ou não as roupas e caixa originais, de estar em boas condições. As customizadas naturalmente custam mais, porque tem o trabalho da artista (o) que a customizou. Mas o mercado é flutuante, e se tem muita gente vendendo, a gente pode conseguir por um preço melhor.

As bonecas podem ser originais ou falsificadas. Como distinguir?

Sim, podem.  Os originais são ou foram produzidas por empresas que tinham (ou tem) a licença da marca Blythe. Atualmente é a empresa Takara, do Japão, que produz as Neo Blythes. As Blythes foram produzidas pelas empresas americanas Kenner e ADG, e também por empresas japonesas. 

Para saber se são falsas, há vários critérios.Como é difícil saber apenas olhando, para quem não as conhece muito, o primeiro método é o preço. Se são muito baratas, certamente são falsas. Também é possível olhar pelos cabelos, porque em sites como o weloveblythe.com.br há uma lista de todas as Neo Blythes da Takara. Qualquer cabelo ou cor de pele diferente dos modelos da listagem, são de Blythes falsas, ou que foram mexidas, trocadas.

Se não vêm em caixas como as roupas, se vendidas como originais, é porque não são, a menos que a pessoa diga que está vendendo a boneca nua, sem os acessórios. Se você comprar em sites de vendas “alternativos”, provavelmente são falsas.

Existe um vocabulário próprio para nomear desde as roupas, as bolsinhas de transporte, até a cordinha para trocar a cor dos olhos. Nos ajude a entender.

Sim, é verdade. Aí vão alguns:

Outfit: roupas e acessórios da boneca

Case: bolsa de transporte

Pull rings: cordinhas que mexem os mecanismos dos olhos

Blogged Eyes: Pálpebras Escondidas.
Carved Eyes: Olhos Esculpidos.
Carved Mouth: Boca Esculpida.
Eyechips: Olhos das bonecas que podem ser trocados por cores e modelos diferentes.
Gaze Correction: Olhar para cima.
Sand-Matting: Efeito fosco no rosto, pode ser feito através de aplicação de verniz próprio ou lixando a boneca com lixa apropriada.
Scalp: Borracha flexível onde ficam os cabelos.
Sleep Eyes: Olhos Fechados.
Stock: Blythe sem Customização.

As bonecas também podem ser customizadas? Fale sobre isso. Quem  são as referências nessa área?

Sim, elas também  podem ser customizadas, e se tornam mais especiais, por ficarem únicas. As pessoas trocam os cabelos, os olhos, pintam as pálpebras, fazem lindos desenhos na parte de trás da cabeça, inclusive  trocam os corpinhos. Além disso, uma Blythe customizada acaba se tornando ainda mais fotogênica, e olha que as Blythes fotografam sempre muito bem!

De fato, no mundo inteiro há muitos customizadores, mulheres e homens, muito bons.  Na Ásia, naturalmente, alguns dos melhores. Na Espanha também há muitas e muitos famosos, porque aquele é um país como muita tradição “bonequeira”. Além disso, aqui no Brasil há vários artistas incríveis. Mas eu não saberia nomear um que fosse “a referência”. Há tantos! Em meu canal de vídeos eu estou sempre mostrando um pouco da minha coleção, e falando das bonecas, dos customizadores.

 Quais são os cuidados que uma boneca Blythe exige? 

Por isso, é sempre bom guardá-las sem roupas, sem sapatos, e sem acessórios ou objetos que possam marcar o plástico de que são feitas. Inclusive, eu as guardo em caixas plásticas, enroladas em TNT branco, e sem as roupas, no armário fechado, e assim também, deixo ventilar de tempos em tempos.

Além disso, a  make das customizadas pode desbotar um pouco com o tempo. Portanto,  precisamos evitar umidade, calor e também a  luz solar ou artificial excessiva. Elas podem ter o corpo e os cabelos lavados, mas sempre tomando muito cuidado, protegendo a make.

Assista o vídeo: 

Fotos: Cristina Bottallo – Divulgação / Arquivo Pessoal

Fonte: Cristina Aguilera com informações de Cristina Bottallo
Assessoria Imprensa

Intervenções, atividades educativas e musicais: Confira a programação online da Casa-Museu Ema Klabin

Etiquetas

Cristina Aguilera

Cristina Aguilera é jornalista com pós graduação em Mídias na Educação pela Universidade de São Paulo (USP) . Foi repórter de tv, rádio, revista, assinou colunas de Turismo e Moda. É co autora do livro “ A educação contada pela imprensa” junto com Cesar Callegari. Adora moda, turismo, educação, literatura, designer e cultura.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar